Dia Internacional da Mulher: as mulheres no mundo do vinho e um bate-papo com a produtora Erika Goulart

No dia 8 de março é celebrado, anual e mundialmente, o Dia Internacional da Mulher. Essa é uma data que reforça a importância da mulher na sociedade e toda a história que está por trás de seus direitos conquistados – e dos que ainda estão por vir com sua luta diária.

Em meio aos presentes e debates que rodeiam esse dia, estamos aqui para mostrar que se engana quem pensa que as mulheres não marcam presença no mundo do vinho! Hoje você vai conhecer a história de algumas mulheres importantes do ramo. Vamos lá?! 😉

Mulheres no mundo do vinho

É preciso admitir que, ao longo dos anos, há cada vez mais mulheres presentes nas diversas etapas que estão por trás dos rótulos que consumimos, desde as posições de liderança nas vinícolas e até mesmo atuando como enólogas ou sommelières – o que abre muitas portas para todas que desejam seguir pelo mesmo caminho.

MADAME VEUVE

Grandes exemplos são Madame Veuve e Jancis Robinson. Filha de viticultores e agricultores, Jeanne Marie Point (Madame Veuve) começou a aprender sobre esse universo desde cedo, observando seus pais e os ajudando nas vinhas da família no final do século XIX, na França. Mãe aos 22 anos e viúva aos 26, Jeanne não era aceita pelos viticultores locais, mas isso não a impediu de seguir com seu trabalho, consagrado até os dias de hoje em seus rótulos.

JANCIS ROBINSON

Já a inglesa Jancis Robinson foi a primeira mulher a obter o importante título de Master of Wine, no ano de 1984. Disposta a compartilhar todo o seu conhecimento, Jancis possui uma série de avaliações, livros e artigos sobre vinho, desde os mais básicos até os mais técnicos, que envolvem harmonização, territórios de cultivos, entre outros assuntos.  

ERIKA GOULART

Uma outra trajetória, na qual não poderíamos deixar de falar nesse artigo, é da brasileira Erika Goulart, proprietária da Vinícola Goulart. A Erika já tem uma parceria estabelecida com a Evino, e a partir de julho teremos seus rótulos à venda com exclusividade no e-commerce brasileiro! Ela falou um pouco sobre a sua jornada em uma entrevista exclusiva. Confira:

Entrevista com a produtora Erika Goulart

Evino: Como começou a sua história com o vinho? 

Erika Goulart: Minha história com o vinho começou quando eu descobri que meu avô tinha sido exilado na época da Revolução de 1932 na Argentina, mais precisamente em Mendoza. Lá, ele tinha comprado um vinhedo de Malbec plantado em 1915. Cheguei em Mendoza e negociei o vinhedo com as pessoas que viviam lá. Em 1997 me instalei definitivamente e comecei aprender sobre vitivinicultura.

*Erika Goulart nos vinhedos da Vinícola Goulart. Arquivo pessoal.

*Erika Goulart nos vinhedos da Vinícola Goulart. Arquivo pessoal.

Evino:  Quais foram suas dificuldades no ramo?

Erika Goulart: A primeira dificuldade foi o idioma, eu não falava espanhol, as seguintes basicamente foram o fato de ser mulher e estrangeira. Quando comecei éramos muito poucas pessoas e sem dúvida a indústria vitivinícola é masculina. Eles não acreditam que podemos estar sujas, trabalhando muitas horas, em um clima extremo com temperaturas muito altas ou baixas. Também tive a dificuldade de armar a equipe e conduzi-la. 

Evino: Em Mendoza, a Vinícola Goulart é conhecida como “Bodega de la Brasilera”. Qual a sensação de ser dona e líder de uma vinícola em outro país?

Erika Goulart: Assim que comecei nessa indústria aprendi que primeiro havia que conseguir prestígio. A Goulart possui prestígio mundial e isso me dá muito orgulho e prazer.

*Vinhedos da Vinícola Goulart. Arquivo pessoal.

Evino: Você acredita que existe um “vinho ideal para mulher”?

Erika Goulart:  Não acredito que exista um vinho ideal para mulheres, dado que o paladar é único em cada pessoa. Acho sim, que existe um vinho ideal para cada momento e as mulheres sabem muito bem escolher.

Evino: Gostaríamos que deixasse uma mensagem ou uma dica para todas as mulheres que se interessam pelo universo do vinho e desejam ingressar nessa área.

Erika Goulart: O vinho é um alimento, uma bebida fermentada, que faz muito bem à saúde. Com o vinho você pode viajar sem sair de casa; você descobre aromas, estilos, regiões e essa experiência diária ou não é fundamental para nós mulheres que adoramos descobrir todos os dias algo novo.

Curtiu a entrevista? Conta aqui para gente que adoraremos saber! 😉 

Confira também: 4 formas de abrir vinho sem abridor.