Guia Vinho Tinto: O que é, Produção, Uvas e mais | Evino

Vinho é toda bebida resultante do mosto de uva fermentado, ou seja, se não for de uva, não pode ser considerado vinho. O vinho tinto é todo aquele de coloração vermelha, sendo que a tonalidade pode variar entre púrpura e granada com diferentes intensidades. Dado que a pigmentação está presente nas cascas, este tipo de vinho só pode ser feito com uvas também tintas. A tonalidade vai depender então da casta utilizada, do nível de maturação, estado sanitário, dos métodos de vinificação utilizados e também da idade do vinho.

No decorrer do texto vamos entender mais sobre os processos de produção, quais as uvas mais famosas e harmonizações mais indicadas para alguns tipos de vinho tinto.

Como é feito o vinho tinto?

A elaboração do vinho tinto conta com mais processos do que a do branco ou rosé. Aqui a chave da produção é a forma que o enólogo vai trabalhar com as cascas das uvas; delas será extraído, além da cor, os taninos e os compostos de aroma e de sabor. Depois de colher as uvas, elas são esmagadas; o mosto – suco das uvas ainda não fermentado – é deixado junto com as peles para a extração de cor, sabor e taninos, processo conhecido como maceração. 

Existem diferentes técnicas de maceração. Quando realizada antes da fermentação e em baixas temperaturas, são extraídos aromas e sabores em maior intensidade e poucos taninos. Quando realizada no decorrer da fermentação e com temperaturas entre 20 – 23ºC, a extração de taninos é mais intensa.

A quantidade de taninos e a intensidade da cor vão depender do tempo de duração desses processos, que pode ser algo entre alguns dias ou várias semanas. Quando o líquido atinge o ponto desejado de cor, estrutura, aromas e nível de taninos, o vinho é escoado para outro recipiente, deixando as peles para trás, e finaliza a fermentação.

Uvas fermentando

Envelhecimento do vinho

Depois de fermentado, o vinho tinto pode passar por envelhecimento se for da vontade do produtor ou regra da denominação de origem do local.

O processo de envelhecimento geralmente acontece em barris ou tanques.  Os mais comuns são os barris de carvalho e os tanques de inox.

Barris de carvalho: o vinho adquire aromas e sabores que podem variar entre especiarias, café, notas tostadas ou até mesmo de castanhas. Além disso, como a madeira é porosa, há uma pequena micro oxigenação do vinho, que ajuda a tornar seus taninos mais macios.

Tanques de inox: são recipientes inertes, isto é, não possuem nenhum tipo de cheiro. Neste caso, a intenção é justamente manter a pureza da uva durante o processo.

Enólogo tirando amostra de vinho de um tanque de inox

Principais uvas

Como vimos, as uvas são um grande determinante do estilo de vinho criado. Vamos conhecer algumas das mais famosas, que podem aparecer sozinhas – os chamados vinhos varietais – ou misturada com outras castas, os famosos blends ou assemblages. Importante ressaltar que mesclar uvas ou não pode ser uma regra da denominação de origem ou, se não houver um lei, escolha do produtor. 

A mescla de uvas pode inclusive ajudar a criar um estilo único; ao juntar duas variedades com características diferentes, origina-se um vinho com mais equilíbrio ou mesmo complexo. Afinal, algumas variedades possuem taninos e mais extratos colorantes do que outras, vamos detalhar um pouco sobre cada uma delas.

Cabernet Sauvignon

Difícil não conhecer essa casta que ficou famosa como a rainha das uvas tintas. Essa é uma das variedades mais plantadas no mundo. De casca grossa, origina vinhos de cor profunda, taninos potentes e aromas intensos de cereja negra, cassis e toques herbáceos de pimentão, se passada em madeira pode apresentar notas de café e baunilha.

Merlot

Comum de encontrá-la em cortes com a Cabernet Sauvignon, a Merlot origina vinhos com menos taninos, acidez média e corpo médio. Os aromas costumam ser de frutas negras, como ameixa e amora; quando passa por madeira pode ter notas de cacau e cravo.

Cachos da uva merlot pendurados na videira em fila

Pinot Noir

Casta originária da região da Borgonha, na França. De pele fina, origina vinhos de cor mais clara, com baixos níveis de taninos. Se adapta melhor em lugares de clima fresco e origina vinhos com aromas de morango e framboesa, os exemplares feitos para envelhecer podem apresentar notas de couro e cogumelos.

Tempranillo

De origem espanhola, a Tempranillo tem conquistado o paladar de muitos apreciadores de vinho. Resulta em vinhos de corpo médio a encorpado, com média intensidade de taninos e aromas de frutas vermelhas e negras; bem adaptada ao uso de madeira, pode ter notas de tostado e baunilha.

Malbec

Casta emblemática na Argentina, a Malbec é de origem francesa. Costuma gerar vinhos potentes, com taninos de médios a alto e com aromas de frutas negras. A versão francesa é mais rústica, com algumas notas de ervas secas, enquanto que a versão argentina é mais frutada. Os vinhos são apropriados para uso de carvalho.

Outras uvas

ão inúmeras as castas tintas, além das mencionadas, outra muito conhecida é a uva Carménère, que ganhou fama no Chile. No Uruguai, a uva Tannat se destaca pelos vinhos ricos em taninos. Na Itália, a uva Nebbiolo faz vinhos potentes na região norte, enquanto a uva Sangiovese se destaca pela produção na Toscana e a uva Primitivo, pelos vinhos frutados da parte sul. Em Portugal há mais de 200 variedades nativas, entre elas a famosa uva Touriga Nacional. Leve como a Pinot Noir, temos a Gamay; são muitas opções.

Harmonização com Vinho Tinto

Como você deve ter percebido ao longo do texto, o tanino é um dos principais elementos do vinho tinto, portanto, na hora de harmonizar ele também vai servir como guia. Há outros elementos que também devemos considerar, como nível de corpo, de acidez e teor de álcool.

De forma geral, os vinhos tintos costumam ser mais potentes e intensos do que os brancos, por isso acompanham melhor comidas de sabor mais forte e de alto teor de gordura.

Entradas

As entradas costumam ser pratos leves, podemos pensar em saladas, carpaccio de filé mignon, bruschettas de cogumelos, burrata, tábua de frios ou mesmo peixes, como atum selado. Para acompanhar opte  por vinhos mais leves e sem madeira, como um Pinot Noir, um Tempranillo jovem ou mesmo um merlot sem madeira. Essas uvas originam líquidos frescos e frutados, com níveis de taninos de baixo a médio, sendo assim o vinho não vai sobrepor o prato.

Queijos e uvas dispostos em uma tábua com taças de vinho ao redor

Carnes e Massas

Quando falamos do prato principal, a combinação de vinho tinto e carne vermelha é clássica. Mas você sabe por que essa junção dá tão certo? Por conta dos taninos, substância adstringente que se liga à moléculas de proteína; dessa forma o vinho parece mais macio em boca.

As opções de harmonização são infinitas. Para carnes mais leves e pouca gordura, como o filé mignon, opte por vinhos leves, como os feitos com Pinot Noir ou Grenache. Com carnes mais gordurosas, escolha um vinho com alta acidez, como a Cabernet Sauvignon. No caso de carnes de sabor mais forte, como ossobuco, ou de caça, como o cordeiro, dê preferência para vinhos mais potentes como Tannat e Malbec.

Tábua com carne ao ponto fatiada em tiras com uma taça de vinho ao lado

Na parte de massas, quem vai definir a escolha do vinho é o molho. Para aqueles com queijo, escolha vinhos frutados e com bom nível de acidez. Já os mais mais encorpados, como bolognesa ou mesmo os que são mais condimentados, ficam legais com vinhos feitos com a Primitivo, que tem corpo e maciez. Molho sugo com Sangiovese é clássico.

Pratos que contenham cogumelos ou trufas, que são elementos terrosos, precisam de um vinho que também tenha essa característica de aroma e sabor, como os elaborados com Pinot Noir e Nebbiolo.

Sobremesas

Pratos doces podem combinar com vinhos sim, mas atenção: o vinho deve ser mais doce do que a sobremesa. Vinhos tintos suaves ou fortificados, como do Porto, combinam bem com chocolates, tortas de nozes, mousse e doces à base de café.

Conheça Vinhos Tintos

Se você chegou aqui querendo abrir uma garrafa, não passe vontade. Vamos deixar algumas dicas de vinhos tintos de diferentes estilos para que você conheça e descubra o seu favorito:

Vinhos Leves e Frutados

Domaine de La Motte Pinot Noir 2019: com toda a finesse proporcionada pela personalidade peculiar da Pinot Noir, é um vinho que encanta com seus toques frutados, macios e equilibrados, que acompanham os aromas de frutas vermelhas frescas.

Domaine de La Motte

Solear Merlot 2020: vinificado sem passagem em barrica, este vinho apresenta um perfil jovem e fresco, com aromas de frutas negras, como ameixas, amoras e mirtilos, além de um toque de cacau.

Vinhos de Corpo Médio

581 Malbec 2020: fazendo jus à fama dos vinhos de Malbec produzidos em Mendoza, ele é complexo, com aromas intensos de frutas vermelhas maduras e compota.

Garrafa de vinho 581 Malbec

De Martino Carménère Valle del Maipo D.O. 2019: De Martino origina vinhos inesquecíveis, com notas de amora preta, mirtilo, cereja e pimenta preta. O líquido é estruturado, cheio de frutas e rico em boca.

Garrafa de vinho De Martino Carménère

ZioBaffa Toscana IGT 2016: sob a filosofia da sustentabilidade e preservação, Castellani faz um vinho orgânico com as uvas Sangiovese e Syrah. Com notas de cereja, cranberry e ameixas, ZioBaffa é macio, suculento e fácil de tomar. 

Garrafa de Ziobaffa Toscana safra de 2016

Vinhos Encorpados

Anciano Gran Reserva 10 years Valdepeñas DOP 2008: Feito com Tempranillo, este vinho traz à taça um buquê que mescla notas mirtilo, amora, café, pimenta e chocolate em um fundo delicadamente herbáceo. Anciano tem 10 anos de amadurecimento — sendo 18 meses em barricas de carvalho e o restante em garrafa.

Anciano Gran Reserva 10 years Valdepeñas DOP 2008

Alto De La Ballena Tannat-Merlot-Cabernet Franc 2016: único e cheio de personalidade, este blend junta três uvas. Enquanto a Tannat, que passa por 9 meses em carvalho, traz a estrutura tânica e notas de amora escura; a Merlot aporta maciez e aromas de cereja, e a Cabernet Franc acrescenta frescor e um toque floral.

Garrafa de Alto de La Ballena Tannat Merlot Cabernet Franc

Vinho Tinto Doce

Vallado Porto LBV 2016: elaborado com uvas selecionadas cuidadosamente e envelhecido entre 4 e 6 anos, geralmente em barris de madeira. É um vinho saboroso, com notas intensas de cereja, final intenso e aromas de frutas pretas e especiarias.

Vieux Papes Rouge Medium Sweet Suave: assinado por um dos maiores grupos produtores de vinho da França, Vieux Papes é macio e redondo, com dulçor agradável e marcante.

Vieux Papes Rouge

Gostou? Então agora acesse nosso site e explore o mundo do vinho tinto na prática. Aproveite o cupom DICASBLOG para ter 10% de desconto na sua primeira compra!