Vinhos da Toscana: Uvas locais, Vinhos e Curiosidades | Evino

No centro da Itália está a região da Toscana, famosa tanto pela riqueza histórica quanto pela tradição vinícola. Em meio às cidades de Florença, Livorno, Siena, entre outras, os vinhos da Toscana compõem um mundo a ser explorado.

Neste artigo vamos falar sobre as características dessa região, que permitem a produção de vinhos únicos; quais as principais uvas da Toscana; os vinhos mais famosos; dicas de rótulos e mais. Pegue sua taça e venha passear por uma das mais belas paisagens italianas.

Paisangem mostrando os vinhedos da Toscana em primeiro plano e uma grande casa branca no fundo

Conhecendo a Toscana

O território da Toscana estende-se pela costa ocidental da Itália, formando um triângulo  banhado pelo Mar Tirreno e pelo Mar da Ligúria na parte costeira e protegido pela cadeia montanhosa dos Apeninos na parte continental.

O clima é moderadamente quente, com luz e calor suficientes para amadurecer as uvas ali plantadas. As videiras cultivadas nas encostas e colinas da região são beneficiadas pela altitude, quanto mais para cima, maior a variação térmica ao longo do dia, o que permite que as uvas amadureçam bem e sem perder acidez. Na parte costeira, as brisas refrescantes do mar ajudam a manter as vinhas frescas.

Além disso, outro fator importante para o desenvolvimento das uvas é o solo. Na Toscana temos dois tipos principais: 

  • galestro, um tipo de solo argila-calcário quebradiço rico em elementos minerais preciosos para as videiras. Comumente encontrado na região de Chianti Clássico;
  • alberese, que é mais rígido e compacto, com maior concentração de arenito; esse tipo de solo sedimentar é adequado para a obtenção de vinhos estruturados e de longo envelhecimento. A sub-região de Ruffina é rica nesse tipo de solo.

Uvas da Toscana

Você já se perguntou qual a uva da Toscana? A principal uva é a tinta Sangiovese, que brilha em vários vinhos ícones da região. Entretanto, temos outras castas cultivadas, como as tintas internacionais Cabernet Sauvignon e Merlot, além das brancas nativas Trebbiano e Vernaccia. Vamos falar mais de cada uma delas:

Sangiovese

Antiga uva nativa da Toscana e a mais importante na região. A Sangiovese é responsável pelos famosos vinhos de Chianti, Montalcino e Montepulciano (atenção para não confundir Vino Nobile di Montepulciano com a uva de mesmo nome, que é plantada na região de Abruzzo, cujo vinho produzido é chamado de Montepulciano d’Abruzzo). Como característica principal, os vinhos apresentam níveis altos de acidez e tanino. Seus aromas geralmente são de cerejas vermelhas e ervas secas.

No decorrer dos anos, algumas mutações naturais aconteceram originando clones com algumas diferenças. Um exemplo é a Sangiovese Grosso, que apresenta casca mais grossa e gera vinhos mais encorpados.

Três cachos de uva Sangiovese pendurados na videira

Cabernet Sauvignon

Esta é uma uva francesa que se adaptou muito bem na Toscana e é muito utilizada junto com a Sangiovese, adicionando corpo e aromas de frutas negras aos vinhos.

Merlot

Também originária da França, esta é uma uva conhecida por ter níveis de tanino e acidez moderados, corpo médio e aromas de ameixa e chocolate. É utilizada em alguns vinhos, também junto com a Sangiovese, para trazer maciez ao vinho.

Trebbiano Toscano

Existe uma série de uvas brancas italianas que compartilham as mesmas características morfológicas, são conhecidas como a família Trebbiano. A Trebbiano Toscano, como o nome já diz, é nativa da Toscana. Em Portugal é chamada de Alfrocheiro Branco e na França de Ugni Blanc. Os vinhos feitos com essa casta tendem a ser leves, frescos e com aromas bem delicados de pêra e maçã verde.

Vernaccia

Antiga variedade italiana nativa da província de Siena. Geralmente é utilizada sozinha, mas pode aparecer em cortes junto com a Trebbiano. Seus vinhos são frescos, cítricos e, às vezes, levemente florais, com um toque amendoado no final de boca.

cacho de uvas brancas pendurados na videira

Outras Uvas

Além das principais uvas mencionadas, temos outras variedades cultivadas da Toscana que produzem vinhos incríveis. A Malvasia, assim como a Trebbiano, é uma família de uvas com diferentes cores usada para a produção de vinhos doces.

Já a Canaiolo Nero é uma uva tinta nativa da Toscana e geralmente usada em blends com a Sangiovese. Outra variedade originária da região é a tinta Colorino del Valdarno, usada para intensificar a cor aos vinhos. A Aleatico é outra casta tinta, conhecida por sua intensidade aromática.

Regiões e Vinhos da Toscana

Agora que você sabe as características da região e quais as uvas plantadas, vamos conhecer quais os melhores vinhos da Toscana e quais suas características:

CHIANTI

Se te perguntarem qual o vinho da Toscana? Aposto que Chianti é a primeira opção. Esta é uma sub-região responsável pela produção do mais emblemático dos vinhos da Toscana. A Sangiovese é a uva dominante, mas a legislação permite a adição pequenas quantidades de outras castas (como Cabernet Sauvignon e Merlot).

Você pode encontrar a menção “Clássico” em alguns rótulos, isso significa que os vinhos são originários de uma zona mais alta, que constitui a primeira região denominada Chianti. Por lei, o Chianti Clássico deve passar 12 meses em barris de carvalho antes de ser lançado. Já o Chianti Classico Riserva deve passar por 24 meses de envelhecimento, sendo que desse tempo, pelo menos 3 meses devem ser em garrafa.

Garrafas de Chianti penduradas no teto

Brunello di Montalcino

Na parte sul da Toscana, encontramos o vilarejo de Montalcino, onde a principal uva cultivada é a Sangiovese Grosso, conhecida localmente pelo nome de Brunello. O clima mais quente do sul é ideal para o cultivo desse clone, que apresenta casca mais grossa do que a Sangiovese cultivada em Chianti.

Tanto o clima como a uva plantada em Montalcino contribuem para que os vinhos sejam mais potentes e encorpados. A legislação local estipula que os vinhos devem ser feitos 100% com a Sangiovese Grosso, sendo necessário um envelhecimento mínimo de cinco anos, sendo que dois desses devem ser passados em barris de carvalho. Para ser classificado como Riserva os vinhos devem envelhecer por pelo menos seis anos antes de serem lançados; estão entre os melhores vinhos italianos.

Vino Nobile di Montepulciano

Deve ser feito majoritariamente com Sangiovese, sendo permitido utilizar pequenas parcelas de outras castas. Os vinhos devem ser envelhecidos por pelo menos dois anos antes de serem lançados. O Vino Nobile di Montepulciano pode ser considerado um intermediário entre a potência dos Brunellos e a delicadeza dos Chiantis.

Bolgheri e os Supertoscanos

Na região costeira, onde o terreno é relativamente plano e o clima marítimo é predominante, as castas francesas encontraram um terroir propício e se adaptaram muito bem. Foi nessa região que se deu o nascimento dos vinhos chamados de Supertoscanos.

Na década de 1940, o Marquês Incisa della Rocchetta começou a plantar Cabernet Sauvignon em suas propriedades na sub-região de Bolgheri, com o auxílio do enólogo Giacomo Tachis. Depois de alguns anos, os vinhos se mostraram fantásticos.

Os sobrinhos do Marquês, Piero e Lodovico Antinori, provaram os vinhos e começaram a produzir vinhos com as uvas francesas. Em 1968, a vinícola Antinori lançou no mercado o vinho Sassicaia. Na década de 1970 a fama dos Supertoscanos se espalhou no mercado internacional; desde então um novo estilo de vinhos feitos majoritariamente com uvas internacionais se consolidou na Toscana.

Morellino di Scansano

Mais ao norte da Toscana está a sub-região de Scansano, onde a principal uva cultivada também é a Sangiovese, localmente conhecida como Morellino. Por lei, até 15% do vinho pode ser feito com outras variedades.

Vin Santo

Vinho tradicionalmente doce, feito com as castas brancas Malvasia e Trebbiano — apesar de raro, também pode ser feito com a tinta Sangiovese. As uvas são colhidas e colocadas para secar em locais ventilados, em cima de  esteiras de palha. Este processo concentra os açúcares da uva e o vinho termina a fermentação com uma boa dose de açúcar residual. Depois de finalizado o vinho é colocado para maturar em pequenas barricas, por cerca de três anos.

Barril com a inscrição Vin Santo

Você sabia? Na Toscana é feito o vinho Governo; governo é uma antiga técnica de vinificação que consiste em reservar uma pequena parcela das uvas colhidas e deixá-las secar parcialmente antes de vinificar.

Vernaccia di San Gimignano

No vilarejo de San Gimignano, a principal uva é a Vernaccia, que compõe de 85% a 100% dos vinhos Vernaccia di San Gimignano. Além da Vernaccia, as normas permitem que outras uvas sejam acrescentadas, como Chardonnay, Trebbiano Toscano e Sauvignon Blanc.

Conheça Vinhos

Agora que você já sabe tudo sobre a Toscana e seus vinhos, está na hora de escolher qual seu favorito. Separamos aqui algumas opções entre os mais icônicos:

Castellani Chianti DOCG 2018: com aromas de cereja fresca e morango, esse é um chianti fácil de tomar, ideal para o dia a dia.

Famiglia Castellani Rosso Toscano IGT 2016: Famiglia Castellani Rosso Toscano é fruto do trabalho de cinco gerações de uma família empenhada em fazer alguns dos melhores vinhos da Toscana e de toda a Itália.

Famiglia Castellani Chianti Classico DOCG 2018: Corte de 90% Sangiovese, foi produzido pela centenária vinícola Castellani e liderado pelo enólogo Piergiorgio, grande nome do vinho italiano e do mundo.